PENSAMENTO DO DIA

1 comentários

Violinista

0 comentários


Morre aos 82 anos Chico Soares, o Canhoto da Paraíba

Quinta, 24 de Abril de 2008 18h40

Morreu por volta das 14 horas desta quinta-feira, dia 24, em sua residência, no Estado de Pernambuco, o violinista Francisco Soares de Araújo, mais conhecido como o Canhoto da Paraíba.

Chico Soares - que tinha 82 anos - ficou conhecido como o Canhoto da Paraíba, porque aprendeu a tocar o violão de forma invertida, sem precisar de trocar as cordas, já que era canhoto.

Durante sua trajetória compôs diversos choros com um agradável sabor nordestino. Entre a sua discografia estão os títulos: Único Amor (1968); Canhoto a Mais de Mil (1977); O Violão Brasileiro Tocado pelo Avesso (1977); Pisando em Brasa (1988).

Biografia
Cresceu em uma família de músicos, ganhou um violão do pai e aprendeu a tocar por conta própria, em festas, saraus e feiras. Em 1953 assinou um contrato com uma rádio da Paraíba. Formou um conjunto regional, e tocou ao lado de Luperce Miranda e Rossini Ferreira. Foi para o Rio de Janeiro em 1959, onde seu virtuosismo despertou a atenção de Jacob do Bandolim, Pixinguinha, Radamés Gnattali e Paulinho da Viola. Em 1977 a gravadora Marcus Pereira lançou "Canhoto da Paraíba - Com Mais de Mil", incluindo composições de sua autoria.

Em 1998, Canhoto sofreu uma isquemia cerebral, ficando com o lado esquerdo do corpo paralisado, impossibilitando-o de tocar e pondo um fim em sua brilhante carreira.

LUTO

0 comentários

Morre Canhoto da Paraíba de problemas no coração

Morreu na tarde desta quinta-feira (24) de infarto o músico Francisco Soares de Araújo, o Canhoto da Paraíba. Ele estava doente há dez anos, desde que teve um acidente vascular cerebral. Hoje, ele estava em casa, em Paulista, Região Metropolitana de Recife, quando passou mal.

Canhoto da Paraíba

Também chamado de Canhotinho, o músico tinha 82 anos, e nasceu em Princesa Isabel, interior da Paraíba. Ainda jovem, ele foi para Recife, onde ganhou fama ao se especializar em chorinho, um ritmo tipicamente carioca, mas que com ele ganhou um toque nordestino, a ponto de ele ser considerado o rei do estilo.

Na última vez em que ficou internado, em janeiro, no Hospital Prontolinda, em Olinda, Canhoto chegou a ficar entubado e usava aparelhos que o ajudavam a respirar. Seu corpo será enterrado nesta sexta-feira no cemitério de Paulista.

LUTO

0 comentários

Morre o músico Canhoto da Paraíba


O Brasil perdeu nesta quinta-feira um dos seus grandes expoentes da música popular. O paraibano Canhoto da Paraíba, 80, morreu no fim da tarde, em casa. A família suspeita que ele tenha sido vítima de um ataque cardíaco fulminante. Batizado como Francisco Soares de Araújo, Canhoto nasceu em 1927 na cidade de Princesa Isabel, sertão paraibano, e cresceu em uma família de músicos. O contato com os instrumentos se deu assim, de forma meio intuitiva – tanto que ele, mesmo canhoto, aprendeu a tocar violão com as cordas colocadas para destros porque tinha que compartilhar o instrumento com os irmãos.

A carreira de Canhoto começou em 1948, quando participou de um programa na Rádio Clube, no Recife. O sucesso começou a se anunciar em 1953, quando ele assinou um contrato com uma rádio da Paraíba. Em 1959, foi tentar a vida no Rio de Janeiro, onde sua habilidade musical começou a chamar a atenção de nada mais nada menos que a fina flor do choro: ícones como Jacob do Bandolim, Pixinguinha, Radamés Gnattali e Paulinho da Viola.

Na prolífica carreira, o músico compões mais de 80 canções e se apresentou ao lado dos principais nomes do chorinho e do samba brasileiros. Antes de parar de tocar, o que ocorreu há dez anos por conta de uma isquemia cerebral que lhe tirou a habilidade com as cordas, Canhoto da Paraíba fez turnê de grande repercussão Europa.

Canhoto se estabeleceu em Pernambuco desde 1958 e morava no bairro de Maranguape, em Paulista. Em 2002, ele foi declarado Patrimônio Vivo de Pernambuco por força de uma lei estadual. Ele também empresta seu nome a uma lei paraibana que garante o benefício de dois salários mínimos mensais a artistas de reconhecido valor e cujo trabalho tenha contribuído para a formação do patrimônio cultural paraibano.

De acordo com a filha de Canhoto, Fátima Gadelha, o pai passou mal em casa durante a tarde desta quinta e faleceu em seguida enquanto aguardava uma ambulância para socorre-lo. O corpo será levado ainda esta noite para o Serviço de Verificação de Óbitos (SVO). O velório e o enterro acontecem nesta sexta no Cemitério de Paulista.

MORRE O CANHOTO DA PARAÍBA

0 comentários

Canhoto da Paraíba
* 19/5/1928 + 24/04/2008

Biografia
Cresceu em uma família de músicos, ganhou um violão do pai e aprendeu a tocar por conta própria, em festas, saraus e feiras. Em 1953 assinou um contrato com uma rádio da Paraíba. Formou um conjunto regional, e tocou ao lado de Luperce Miranda e Rossini Ferreira. Foi para o Rio de Janeiro em 1959, onde seu virtuosismo despertou a atenção de Jacob do Bandolim, Pixinguinha, Radamés Gnattali e Paulinho da Viola. Em 1977 a gravadora Marcus Pereira lançou "Canhoto da Paraíba - Com Mais de Mil", incluindo composições de sua autoria.

MORRE O CANHOTO DA PARAÍBA

1 comentários

Canhoto da Paraíba Francisco Soares de Araújo, o Canhoto da Paraíba, natural de Princesa Isabel, morreu hoje às 16:00h no Recife. Seus choros com um sotaque nordestino delicioso. Seu estilo de tocar é único. Como era obrigado a compartilhar o instrumento com os irmãos, não podia inverter as cordas, o que o fez tocar em um instrumento afinado para destros. O pai não conseguia ensinar-lhe: "Ih, meu filho, tem jeito não. Pra lhe ensinar tem que botá de cabeça pra baixo ou diante de um espelho". Teve que aprender tudo sozinho.
Quem conheçeu o canhoto de perto e teve o prazer de ver seu show, sentirá eternas saudades. Dono de uma simplicidade impar ele encantava a todos, com o seu sorriso e seu violão.

Canhoto da ParaíbaCapa do disco

PENSAMENTO DO DIA

0 comentários


Foto: Star Foto Vídeo by Silvana Rodrigues.


Confie em sí mesmo e dê novo rumo à sua vida.
É duro viver sem sorrir, esperar o pior, imaginar a doença.
Seja otimista mesmo na maré baixa.
O otimista quando perde o emprego, a namorada ou enfrenta um problema, pensa logo: "arranjarei outro emprego, encontrarei outra namorada; este problema não é nada para mim." Ele sempre resiste e vai em frente.
Qualquer problema, visto com temor, se agiganta, assume grandes proporções, machuca, perturba, mas esmorece e some, se encarado com coragem.
Queira ser feliz e será.
Quem procura ser melhor, encontra o rumo da felicidade.
Abraços e PAZ!!!Bjs

O JARDIM DA MAMÃE

0 comentários





O JARDIM DA MAMÃE

0 comentários






PARABÉNS D. MARIA ARRUDA.

O JARDIM DA MAMÃE

0 comentários





O JARDIM DA MAMÃE

0 comentários





O JARDIM DA MAMÃE

0 comentários





O JARDIM DA MAMÃE

0 comentários





O JARDIM DA MAMÃE

0 comentários






Cultivadas com muita paciência, amor e carinho.

O JARDIM DA MAMÃE

0 comentários